Skip to content

Minha Vida à Deriva

Texto de Luiz Correa

 

Quantas vezes em nossas vidas nos sentimos perdidos no meio do nada, sem saber que queremos isso ou aquilo, Sem ter noção qual direção seguir ou muitas vezes não ter ideia de como se movimentar, como a imagem acima.

Por quantas vezes nos sentimos dentro de um barco no meio do oceano, sem saber para onde seguir nossas vidas religiosa que está para um lado e nossa orientação sexual ou identidade de gênero para outro lado. Não me parece prudente dividir o barco que com certeza irei afundar.

Me parece uma decisão que nem mesmo uma bússola seja capaz de me dizer para onde seguir quando meu coração me diz que eu posso ter as duas coisas.

Onde diz, em qual escritura existente que eu não posso seguir minha religião ou simplesmente ser uma pessoa espiritualizada sendo homem gay.  Porque meu barco tem que ficar à deriva e ter que simplesmente decidir por um lado só, quando posso navegar por todos os mares.

Muitas vezes me pergunto porque os líderes me dizem que devo seguir um só caminho, que não posso escolher ser ou ter as duas coisas. O que minha orientação pode prejudicar minha espiritualidade, meu coração ele me diz que devo sim ser uma pessoa preparada espiritualmente, uma coisa que tenho aprendido desde sempre na minha vida.

Mas também este coração me diz que devo ser quem eu sou por dentro e por fora sem perder a minha essência. Quantas vezes esse sentimento que está no meu coração eu acredito ser o Senhor me tocando e me dizendo para seguir em frente com meu barco, que eu vá para norte e sul, para leste ou oeste.

Quem está sozinho neste barco sou eu no meio do oceano, então sou eu quem devo decidir o lado ou os lados que eu quiser escolher, até porque eu sou o condutor do barco da minha vida, não posso permitir que outra pessoa venha direcionar meu barco e dizer para qual destino eu deva seguir.

Muitas vezes eu sei que terei contra a turbulência marítima que serão pessoas dizendo qual lado eu devo ir para me salvar, outras vezes terão maremotos e tsunamis que são aqueles que vem com agressividade por muitas vezes violência impor e dizer que o que estou fazendo não é certo e nem de Deus.

Mas uma certeza eu tenho no meio de tantas catástrofes humanas eu tenho Deus para me direcionar e me proteger destes fenômenos “climáticos”.

Tendo as mãos de Deus me guiando eu tenho certeza que posso navegar para todos os lados, sem me perder ou achar que não escolhi a rota certa. A certeza que sendo filho do Pai, me faz estar seguro de minhas escolhas, pois ele me acolhe e sabe como foi difícil ficar por anos a deriva em alto mar, sem saber qual caminho seguir, por muitas vezes querer ficar ali mesmo, esperando que alguém venha decidir por mim.

 

Deixe um Comentário