Skip to content

2015 Curriculum da Juventude

Escola de Jovens: “Venha, me siga”
Considerações LGBT

Agosto: Casamento e família

O Currículo da Juventude foi estruturado para ajudar a preparar melhor os jovens para o serviço missionário, aumentar a compreensão da Igreja e seus ensinamentos e fortalecer seus testemunhos. Cada mês é dedicado a uma unidade diferente, ou área de assunto geral, e vários contornos discutem pontos específicos de cada unidade.

Esta unidade particular inclui esquemas que discutem como explicar aos outros a ênfase da Igreja no casamento e na família. Também aborda a questão particular: “Por que o casamento deve estar entre um homem e uma mulher?”, E se os jovens já foram convidados a explicar a posição da Igreja sobre o casamento do mesmo gênero. Deve-se enfatizar que isso foca especificamente no casamento do mesmo gênero como uma questão doutrinária e evita qualquer discussão sobre a orientação sexual em geral.

Há referências a outros materiais de origem para leitura adicional, incluindo as seções de “Fiel à Fé”, “A Família: Uma Proclamação para o Mundo”, e a conversa do Presidente Hinckley da Conferência Geral de outubro de 1999, “Por que nós Faça algumas das coisas que fazemos “. Nessa palestra, o Presidente Hinckley explica a posição da Igreja sobre a doutrina do casamento entre pessoas do mesmo sexo, e ele faz a seguinte declaração:

“No entanto, e enfatizo isso, gostaria de dizer que a nossa oposição às tentativas de legalizar o casamento entre pessoas do mesmo sexo nunca deve ser interpretada como justificativa de ódio, intolerância ou abuso de pessoas que professam tendências homossexuais, individualmente ou em grupo. Como eu disse a partir deste púlpito há um ano, nossos corações alcançam aqueles que se referem a si mesmos como gays e lésbicas. Nós os amamos e honramos como filhos e filhas de Deus. Eles são bem-vindos na Igreja. Espera-se, no entanto, que eles sigam as mesmas regras de conduta dadas por Deus que se aplicam a todos os outros, solteiros ou casados. “- Presidente Gordon B. Hinckley,” Por que fazemos algumas das coisas que fazemos “, Conferência Geral , Outubro de 1999

Esta citação não é especificamente referenciada na unidade ou descreve material, mas é importante que o presidente Hinckley a use para distinguir entre a doutrina do casamento e a aceitação de gays e lésbicas na Igreja. Ele também aplica as regras de conduta esperadas de forma consistente entre membros heterossexuais e homossexuais, sejam eles solteiros ou casados. Esta declaração foi feita há mais de 15 anos, e as declarações mais recentes da Igreja são consistentes com ela.

Sacerdócio Aarônico: “Venha Seguir-me”

Agosto:  Casamento

Esta unidade mensal inclui esquemas que pedem aos jovens como eles ajudariam um amigo que está lutando com a atração do mesmo gênero e sugere “Ajudar aqueles que lutam com a mesma atração de gênero”, Élder Jeffrey R. Holland, Liahona, outubro de 2007, como fonte de idéias. Também os encoraja a escrever uma carta que possa ajudar amigos a lutar com a atração do mesmo gênero.

A repetição da palavra, “lutando”, pode enviar uma mensagem de fraqueza de si mesmo, testemunho, auto-imagem, etc. tendo dificuldade em resistir à “tentação” de uma orientação sexual LGBT; um status de segunda classe ou sensação de paternalismo; ou outras imagens negativas desse tipo. Com base na direção e orientação do Espírito, esta pode ser uma oportunidade para explicar que os LGBT realmente lutam. Mas a luta não é com a “atração pelo mesmo gênero”, orientação sexual, ser gay / lésbica ou tal. Em vez disso, a luta é com a vida com medo de ser descoberto, não por causa de quem ele é, mas quem são os outros; sem se sentir amado e aceito por outros membros sem qualquer julgamento; com membros que falam atrás de suas costas enquanto sorriam para o rosto dele; com sujeição a piedade ou “intimidação justa” em vez de amor semelhante a Cristo; com aqueles que amam sua própria reputação mais do que seus semelhantes, e que temem o que os outros pensam deles se tiverem um amigo ou parente gay; com aqueles que pensam que a Lei da Castidade é diferente para os homossexuais do que para os índices, mesmo que os profetas afirmem que é o mesmo para todos; com aqueles que “conhecem tudo” e não são mais ensináveis; com ser julgado por aqueles que confundem o orgulho com o Espírito; com ser chamado a servir em uma ala, e a mesma pessoa sendo chamada a disciplinar em outra; com membros que não lhe tirarão o sacramento, embora ele seja totalmente digno de aprová-lo; com aqueles que deixaram a ignorância ser sua Liahona; e com o medo de ser rejeitado por família ou ala, seja figurativamente ou literalmente. Essa é a verdadeira luta que muitos membros LGBT enfrentam.

Moças: “Venha, me siga”

Agosto: Casamento e família

Esta unidade mensal inclui contornos que se concentram na família como uma unidade eterna e a importância do casamento no templo para receber as bênçãos específicas dessa unidade. Embora o material não discuta a orientação sexual, enfatiza a relação do homem e da mulher, marido e mulher, como essencial para a família para torná-la uma unidade eterna e realizar todas as bênçãos associadas a ela.

Dada a doutrina e os ensinamentos da Igreja em relação ao casamento, esse contexto é esperado. O objetivo desta classe é diferente do de um curso universitário sobre o assunto. Se isso for entendido por mulheres jovens, famílias e amigos LGBT, as lições podem não ser tão problemáticas. Muitas das questões discutidas nesta unidade (Por que a família é importante? Por que a castidade é importante? Como posso fortalecer minha família? Etc.) possuem princípios que se aplicam a todos. Outros (Como os papéis dos homens e das mulheres se complementam nas famílias?) Podem ser adaptados a outras famílias e tipos de famílias sem serem específicos de gênero.